Saltar para o conteúdo

Notícias

Projeto jUMP disponibiliza catálogos de gravações subaquáticas existentes nas águas marinhas portuguesas Projeto jUMP disponibiliza catálogos de gravações subaquáticas existentes nas águas marinhas portuguesas
2021-04-14


O projeto jUMP, uma ação conjunta para a monitorização do ruído submarino em águas portuguesas, cofinanciado pelo Fundo Azul, do qual o LNEC é parceiro, torna público um inventário com três catálogos relacionados com as atividades humanas geradoras de ruído, espécies marinhas sensíveis e os registos acústicos subaquáticos efetuados até à data nas águas marinhas portuguesas, incluindo Madeira e Açores.

Produzidos entre março de 2020 e janeiro de 2021, os catálogos representam a primeira compilação sistemática, disponível a um público alargado, sobre os trabalhos relacionados com a temática do ruído em águas portuguesas, as fontes de ruído predominantes e as espécies potencialmente afetadas. 

Atualmente, não existem dados de referência (baseline) para o ruído subaquático em Portugal. Muitos animais acusticamente sensíveis, desde invertebrados a mamíferos marinhos, ocorrem nas águas portuguesas.

No entanto, a informação disponível sobre a distribuição espacial e temporal de espécies sensíveis é insuficiente. O ruído subaquático pode causar diferentes efeitos na vida aquática, e a maioria dos estudos indicam alterações no comportamento (p.ex., mudanças no comportamento acústico, para espécies acusticamente ativas; alteração de padrões de distribuição; alteração ou interrupção de estados comportamentais, como procura de alimento ou comportamentos de acasalamento).

O inventário mostra que a fonte de ruído subaquático mais prevalente e comum é o tráfego marítimo, e que é nesta atividade que se focam a maioria dos estudos de avaliação de impacto. Para além do tráfego marítimo, existem ainda outras atividades, como dragagens, instalação e operação de energias renováveis marinhas offshore, obras marítimas, prospeções sísmicas, utilização de sonares, aquicultura e pesca, que também se desenvolvem em águas portuguesas e que contribuem para a paisagem acústica subaquática.

Compreender e monitorizar os potenciais impactos de fontes antropogénicas sobre espécies sensíveis irá contribuir para a regulamentação do ruído subaquático, minimizando os efeitos adversos no ambiente marinho.

O inventário encontra-se disponível no website do projeto.

Foto: portal do Projeto jUMP
« voltar